Rádio Cidade FM 91,5

Preso o acusado de matar a ''ex'' com 25 facadas em Rancharia



A polícia paulista, mais uma vez, respondeu com rapidez e eficiência e colocou atrás das grades, já noite desta segunda-feira, o rapaz de 24 anos, acusado de matar a jovem ranchariense, Daiane, de 22 anos, na noite do último sábado, 14.
 
Segundo a Polícia Militar divulgou no domingo, 15, o cidadão conhecido por ’Sandrinho’, ex-namorado e pai de um filho com Daiane, não aceitava o fim da relação o que fez com que ela registrasse queixa policial por ameaças e solicitasse Medida Cautelar Protetiva contra ele.
 
Por volta da 1h do sábado para o domingo, ao deixar uma loja de conveniência, Daiane teria sido abordada por ele, não se sebe de que forma, e morta com pelo menos 25 golpes de faca.
 
O corpo foi jogado em um matagal à margem da rodovia Brigadeiro Eduardo Gomes (SP-457), cerca de 2 km da entrada do Balneário de Rancharia, sentido a Iepê.
 
Os cabos PM Lopes, Valentim (da Equipe de Serviço) e Osvaldo (Rocam) chegaram ao local, quando S.A.S.J. telefonou para seu pai, por volta das 17h de domingo, contando que havia matada a ex-namorada e o local onde havia escondido o cadáver.
 
Conforme o registro policial oficial do 5º Batalhão de Policia Militar da Capital, as 19h50 desta segunda-feira, uma equipe encontrou o rapaz na residência de um tio, na Capital.
 
No boletim os policiais relataram que com a informação sobre o crime, uma equipe foi até a rua indicada nas investigações e abordou O.G.S.J., tio de ‘Sandrinho’, este “procurado por pensão alimentícia”.
 
Após uma entrevista dos policiais, o tio “confessou saber o local onde seu sobrinho S.A.S.J. estaria hospedado e disposto a nos levar até o local”.
 
Com apoio de outra equipe, os policias, foram até um bar, na rua Marechal Odílio Denis, esquina com a avenida Cruzeiro do Sul, onde o acusado foi avistado, abordado e revistado e, em seguida encaminhado, junto com seus pertences, ao 20º Distrito Policial, o DP da Água Fria, na Capital.
 
O comandante da Polícia Militar em Rancharia, relatou que a prisão do suspeito foi resultado de “um dia extenuante de trabalho”, com intenso levantamento e compartilhamento de informações, com policiais da Capital e de outras regiões do Estado (para onde ele poderia ter fugido), com policiais civis; busca de filmagens e outras informações, feitos também pelos “policiais militares de folga”, que no domingo atuaram diretamente na ocorrência.
 
Em um grupo de WhatsApp das autoridades de segurança da cidade de Rancharia, o tenente Marcos Paulo, defendeu que esta “resposta rápida para a sociedade”, de um brutal crime que chocou a população de Rancharia, foi resultado, mais uma vez, da união de trabalho das polícias Militar e Civil.
 
“Quero parabenizar os meus policiais, Doutor Pedro, Doutor Arlindo (e toda a Polícia Civil, por esta) resposta rápida”, afirmou o comandante. (Foto: Redes Sociais)
Fonte: Nilton Mendonça - Da Redação

Mural de Recados - Rádio Cidade